Sertão é por os campos gerais a fora e a dentro,
eles dizem, fim de rumo, terras altas, demais do Urucuia...
Lugar sertão se divulga: é onde os pastos
carecem de fechos; onde um pode torar dez, quinze léguas,
sem topar com casa de morador...


Sertão é o sozinho(...)Sertão: é dentro da gente.



sábado, 2 de março de 2013

23/05 – "No mato, o medo da gente se sai ao inteiro, um medo propositado".


O Paredão existe lá. Senhor vá, senhor veja. É um arraial. Hoje ninguém mora mais. As casas vazias. Tem até sobrado. Deu capim no telhado da igreja, a gente escuta a qualquer  entrar o borbôlo rasgado dos morcegos. Bicho que guarda muitos frios no corpo. Boi vem do campo, se esfrega naquelas paredes. Deitam. Malham. De noitinha, os morcegos pegam a recobrir os bois com lencinhos pretos. Rendas pretas defunteiras.

Eu ia para o Paredão. Rômulo informou que seriam 94km até lá, sendo apenas vinte pelo asfalto. Apesar das observações sobre as onças - “elas costumam seguir a presa por horas e até dias se estiverem com fome, esperando o momento do descuido ou do descanso para o ataque” -, aconselhou que eu tomasse cuidado com as cobras, bastante comum na região. E me ensinou uma oração para afastá-las:

“Valha-me, Deus, São Bento.
Buraco velho tem cobra dentro.”
  
Deveria pedir para o santo protetor que as tirasse do meu caminho. E seria ideal também carregar alguns dentes de alho, pois "o alho também afugenta os bichos peçonhentos".  
Eram sete da manhã quando deixei a pousada, depois de tomar um farto café da manhã e anotar as recomendações.

Elas realmente podem ser encontradas na estrada. Nas duas viagens a Paredão encontrei esta espécie de cobrinha branca. Na última viagem (02/2013), infelizmente, atropelei uma delas. 

Sem dúvida, o caminho para o Paredão fora o mais árduo de toda a viagem, demorei nove horas para cumprir o trajeto – 10km/h. Neste trecho, pedalei sobre todos os tipos de pisos possíveis: com pedras, cascalho fino, cascalho grosso, costelinha e areia - muita areia!. Cheguei no povoado com fome e um tanto cansada. A certa altura, concluí que deveria racionar água, pois a garrafa já estava pela metade e ainda faltavam 50km para percorrer. Porém, como se fosse providência divina, alguns minutos depois da constatação, dois pescadores que voltavam de carro do Paracatu, me forneceram mais um litro de água.    

Paredão é o lugar onde ocorre a batalha final de Grande Sertão: Veredas, onde Diadorim enfrenta cara a cara o caçado inimigo Hermógenes. É um povoado relativamente isolado, pois está a 90km de Buritizeiro, de onde é distrito; 60km de Santa Fé (necessitando atravessar o Rio Paracatu), e aproximadamente 50km de outros povoados nas margens do Paracatu e do outro lado do Rio do Sono. Atualmente, o transporte até a cidade é facilitado por um ônibus da prefeitura que faz a linha até quatro vezes na semana, e por carros e motos de alguns moradores; entretanto, a estrada principal de acesso a Paredão ainda é ruim, repleta de atoleiros (seja na areia seca ou molhada) e buracos; exceto um pequeno trecho de não mais que oito kilômetros possui uma boa cobertura para a rodagem, um cascalho fino chamado de toá, ou curiacanga.  


A viagem estava difícil, ninguém não passava ali para eu perguntar se estava na direção certa, e não havia nenhuma casa; os sessenta kilômetros de estrada vicinal eram muito ermos: apareceram somente dois carros, duas motos e um caminhão num período de aproximadamente seis horas – mas, felizmente, não era um deserto absoluto. A tensão por estar sozinha em um lugar desconhecido, tão vazio e habitado por onças e cobras, se acentuava pelo silêncio e o sol impiedoso.


Para vencer o medo, não tinha nada a fazer exceto repetir a oração a São Bento, respirar e seguir. Para vencer o sol, protetor solar, mas muito protetor solar (spray), tanto que caiu nos olhos e isto acabou sendo o único problema real de toda a viagem. Pelo menos sete kilômetros, pedalei quase sem conseguir enxergar, chorando. A situação me irritou, e eu gritava, pedalava com raiva, xingava a mim mesma: Vai, sua idiota; não foi você quem inventou essa viagem? Agora aguenta! Pedala, sua besta!...


Eram quatro da tarde quando cheguei em Paredão. Na entrada do povoado, um mata-burro e um campo de futebol ao lado. Aquele parecia um lugar esquecido no tempo, um elo perdido da história. Estava feliz de ter encontrado o cenário do desfecho de Grande Sertão:Veredas.  
             

5 comentários:

  1. A viagem para Paredão é como um mergulho no tempo. Cheguei pelo outro lado, vindo de Brasilândia depois de atravessar o Porto dos Cavalos no rio Paracatu. Na volta que passei por essa estrada até Buritizeiro. Fui contando as veredas e as arararas no caminho. Foi o final da minha viagem.
    Um detalhe Ana, o chão de curiacanga, ou canga, é vermelho, de minério fino batido. O que eles chamam de toá é de barro amarelo compacto, também bom pra pedalar. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Makely, quantos kms de Brasilândia até Paredão?

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Ana, o odômetro marcou 97. Foram 66 de asfalto e o restante de terra. Trecho bom de pedalar!

    ResponderExcluir